Museu israelense rebate afirmação de Bolsonaro sobre Holocausto

O Museu Yad Vashem de Israel, onde existe 1 memorial ao Holocausto, disse neste sábado (13.mar.2019) que repudia a afirmação do presidente Jair Bolsonaro de que o genocídio contra judeus poderia ser “perdoado”, mas não “esquecido”.

Ao jornal israelense Haaretz, o museu afirma que “desde a sua criação, tem trabalhado para manter a lembrança do Holocausto viva e relevante para o povo judeu e a toda humanidade”.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

Completou dizendo que “não é direito de nenhuma pessoa determinar se crimes hediondos do Holocausto podem ser perdoados”.

A declaração de Bolsonaro foi feita em encontro com evangélicos na 5ª feira (11.mar). Na ocasião, o presidente confirmou que tinha visitado o memorial “mais uma vez”.

Nós podemos perdoar, mas não podemos esquecer. E é minha essa frase: quem esquece seu passado está condenado a não ter futuro. Se não queremos repetir a história que não foi boa, vamos evitar com ações e atos para que ela não se repita daquela forma“, disse.

O presidente de Israel, Reuven Rivlin, também publicou em seu Twitter uma nota em repúdio àqueles que “negam a verdade”, sem se referir diretamente a Bolsonaro.

“Nós sempre iremos nos opor a aqueles que negam a verdade ou aos que desejam expurgar nossa memória —nem indivíduos ou grupos, nem líderes de partidos ou premiês. Nós nunca vamos perdoar nem esquecer”, declarou.

Rivlin também disse que o país sempre combaterá a xenofobia e o antissemitismo. “Os líderes políticos são responsáveis por moldar o futuro“. “Historiadores descrevem o passado e pesquisam o que aconteceu. Nenhum destes deve entrar no território do outro”, concluiu.

Reprodução/Twitter

You may also like...