Como fazer projeção de fluxo de caixa: o que é, importância e exemplos práticos

Se você é um empreendedor, certamente já sabe que o fluxo de caixa é uma ferramenta substancial para a manutenção da saúde financeira do seu negócio, certo?

Ele pode ser feito em planilhas elaboradas, preenchido em sistemas complexos ou ainda sustentado no bom e velho papel. O que importa mesmo é que o fluxo de caixa serve como base para as tomadas de decisão dos gestores.

No contexto empresarial, uma das maneiras mais eficazes de levantar dados precisos sobre a situação financeira de uma empresa e conservá-la longe de crises é manter um fluxo de caixa projetado em dia.

Alguns administradores entendem a importância dessa ferramenta gerencial mais do que outros. Entretanto, é evidente que essa é uma forma segura de controlar o que entra e sai da empresa e preservar suas finanças sempre em ordem.

Pronto para descobrir o que é e como elaborar e controlar um fluxo de caixa projetado?

O que é o fluxo de caixa projetado?

Um fluxo de caixa é uma ferramenta que permite acompanhar as movimentações financeiras que já aconteceram em um negócio, como as entradas e saídas de valores e o saldo final que sobra no caixa ao final do dia.

Já o fluxo de caixa projetado é o instrumento que o gestor utiliza para antecipar possíveis situações de risco ou falhas e impedir que elas ocorram de fato. 

Projetar um fluxo de caixa significa fazer uma estimativa das entradas e saídas de dinheiro que poderão afetar o caixa da empresa. Ou seja, você utiliza dados passados para projetar cenários futuros sobre as finanças do negócio.

A partir dessa estimativa, você pode saber antecipadamente se precisará de um financiamento, por exemplo, ou ainda se terá sobras de recursos em mãos para poder aplicar nos setores da organização.

Ao realizar um fluxo de caixa projetado, o gestor evita o comprometimento do orçamento do negócio e pode tomar todas as medidas necessárias para evitar situações que prejudiquem o andamento do mesmo.

De modo geral, esse recurso serve para que o empreendedor tenha um conhecimento profundo a respeito dos seus lucros, receitas e despesas.

Qual a importância dessa ferramenta para o dia a dia da empresa?

No curto prazo, esse instrumento tem o objetivo de identificar possíveis faltas ou sobras de receita em um futuro determinado. Em outras palavras, serve para saber se a empresa tem dinheiro sobrando em caixa, se tornando essencial para o controle financeiro da corporação.

Ainda no curto prazo, ele ajuda a:

  • determinar as melhores datas para o pagamento dos fornecedores;
  • definir as melhores datas para os demais pagamentos de acordo com os dados previamente projetados.

Para as projeções de longo prazo, os objetivos dessa ferramenta são:

  • planejar as atividades financeiras do caixa da companhia;
  • realizar uma análise da liquidez da empresa;
  • desenvolver maneiras de controlar a situação financeira;
  • auxiliar no planejamento de futuros investimentos;
  • gerenciar o capital de giro com precisão.

Empresas que não têm o hábito de cuidar da projeção do fluxo de caixa podem se tornar mais vulneráveis a imprevistos e problemas financeiros.

Além disso, como não existe um controle de recursos disponíveis, os gestores podem se ver obrigados a recorrer a soluções paliativas não ideais, como empréstimos e financiamentos que podem agravar ainda mais a situação financeira da organização.

O que é necessário para preparar o fluxo de caixa projetado?

Um fluxo de caixa capaz de fazer boas projeções para o futuro deve contar com alguns elementos fundamentais. Para isso, é preciso que as projeções sejam precisas e coerentes. Logo, o gestor deve estar atento a pontos como:

  • saldo inicial em caixa;
  • despesas fixas e variáveis;
  • entradas de receita, divididas em “previsão” e “realizadas”;
  • intervalo de tempo dentre um recebimento e outro;
  • planejamento de contas.

Todos esses elementos devem ser lançados em uma tabela ou planilha, onde o empreendedor terá uma noção clara das entradas e saídas de dinheiro e ainda sobre as necessidades financeiras futuras da empresa.

Para assegurar o funcionamento dessa ferramenta, também é necessário contar com um planejamento de fluxo de caixa e conseguir identificar a viabilidade econômica do negócio em si.

Fluxo de caixa

Essa é a primeira etapa do funcionamento correto do instrumento do fluxo de caixa projetado. Aqui é preciso colher todas as informações contábeis da empresa, como recebimentos e pagamentos organizados por períodos, valores e prioridades.

É necessário também incluir absolutamente todas as entradas e saídas mensais, inclusive aquelas que parecem irrelevantes. Assim você obtém os saldos iniciais de cada mês e a longo prazo durante o ano.

Ao separar as entradas e saídas em categorias, você descobre em quais setores é possível realizar cortes de orçamento para reduzir gastos sem que haja o comprometimento da saúde financeira da organização.

Essa ação é chamada de Planejamento de Contas ou Plano de Contas.

Viabilidade econômica

É por meio dessa análise que o administrador consegue projetar o futuro da empresa a longo prazo e identificar possibilidades de crescimento da mesma. Isso acontece pois todas as despesas passam a ser avaliadas minuciosamente, como, por exemplo:

  • valores a serem pagos para comissões;
  • número de funcionários;
  • custos com salários, horas extras, décimo terceiro e férias;
  • custos fixos mensais — aluguel, luz, água, internet, custos de produção etc;
  • custos variáveis mensais.

Essa análise permite que você identifique quanto dinheiro é preciso para arcar com todas as despesas da empresa por um determinado período. Dessa forma, você consegue organizar as finanças e possíveis investimentos, evitando riscos financeiros e fazendo a empresa crescer de forma saudável.

Como elaborar o fluxo de caixa projetado de fato?

Você pode seguir os seguintes passos para facilitar a elaboração do fluxo de caixa projetado:

Estime suas vendas

Aqui deve-se estimar o total de vendas a serem realizadas em determinado período (semana, mês, semestre). Usar os históricos de vendas dos últimos anos pode ser uma boa base para prever vendas futuras.

Lembre-se de considerar sazonalidade e datas diversas que podem impactar nos resultados de vendas.

Estime o tempo de recebimento de pagamentos

Nessa etapa a ideia é estimar o tempo que a empresa levará para receber  pelas vendas, principalmente para aquelas feitas no cartão e a prazo.

É importante incluir esses recebimentos nas previsões e considerar possíveis atrasos nos pagamentos. Assim, você fica sempre mais próximo da realidade e evita frustrações.

Estime seus gastos

Inclua nesse passo todos os gastos fixos e variáveis e ainda os prováveis durante um período, como despesas periódicas e anuais relativas a taxas e impostos.

Determine também gastos com outras frentes, como os valores necessários para adquirir matérias-primas e para montar estoque.

Os registros de pagamentos dos anos anteriores ajudam a estimar os gastos com maior precisão.

Finalize a projeção do fluxo de caixa

Com todos esses dados em mãos, é hora de alimentar sua tabela para realizar a projeção de fato. Adicione o saldo inicial de dinheiro em caixa e contabilize as receitas menos as despesas que foram identificadas em cada período verificado.

Como você viu, o processo de elaboração do fluxo de caixa projetado pode impactar sua empresa positivamente. Ao utilizar essa ferramenta, você mantém seu negócio longe de situações de risco financeiro e garante a ele um futuro promissor.

Gostou desse conteúdo? Veja aqui como começar de vez a organizar o seu fluxo de caixa

The post Como fazer projeção de fluxo de caixa: o que é, importância e exemplos práticos appeared first on Saia do Lugar.


You may also like...