Perícia diz que JBS teria perdido R$ 196 mi sem vazamento; e Janot continua calado…

Lemos o seguinte no Estadão:

Relatório da Polícia Federal que embasou denúncia contra Joesley Wesley Batista por uso de suas delações premiadas para obter vantagens indevidas no mercado financeiro dá conta de que, se não houvesse o impacto do vazamento do acordo de colaboração dos executivos nos dias 17 e 18 de maio de 2017, parte das operações de compra de dólares no mercado futuro efetuadas pela empresa teriam dado um prejuízo de R$ 196 milhões. 

Segundo o documento, com efeito de ‘bomba atômica’, os lucros com a manobra chegaram a R$ 100 milhões no âmbito de compras de dólares no mercado futuro que chegaram a US$ 2,8 bilhões, entre 28 de abril e 17 de maio, um dia antes da Operação Patmos.

Os procuradores da República Thaméa Danelon e Thiago Lacerda Nobre, do Ministério Público Federal, em São Paulo, denunciaram à 6.ª Vara Federal os irmãos Joesley e Wesley Batista, na Operação Acerto de Contas, desdobramento da Tendão de Aquiles, por uso de informação privilegiada e manipulação do mercado.

Segundo o documento, com efeito de ‘bomba atômica’, os lucros com a manobra chegaram a R$ 100 milhões no âmbito de compras de dólares no mercado futuro que chegaram a US$ 2,8 bilhões, entre 28 de abril e 17 de maio, um dia antes da Operação Patmos.

Os procuradores da República Thaméa Danelon e Thiago Lacerda Nobre, do Ministério Público Federal, em São Paulo, denunciaram à 6.ª Vara Federal os irmãos Joesley e Wesley Batista, na Operação Acerto de Contas, desdobramento da Tendão de Aquiles, por uso de informação privilegiada e manipulação do mercado.

Leia mais:

A Procuradoria ainda atribui a Wesley a aquisição de ‘contratos de dólares no valor nominal de USD 2.814.000.000 (dois bilhões e oitocentos e catorze milhões de dólares americanos) – Contratos Futuros de Dólar e Contratos a Termo de Dólar – obtendo uma lucratividade no mercado financeiro de aproximadamente R$ 100 milhões’.

Sigamos:

Segundo o documento da CVM, levando em consideração a alta do dólar em 18 de maio, um dia depois dos vazamentos e data da Operação Patmos, ‘foram recebidos pela JBS em ajustes diários um total de 99.791.694,00 (noventa e nove milhões, setecentos e noventa e um mil e seiscentos e noventa e quatro reais) exclusivamente pelos 9.480 contratos da série DOLM17 que se encontravam em aberto em nome da JBS’.

“Além disso, a JBS realizou uma operação de day-trade com 500 contratos da mesma série DOLM17, e para essas operações recebeu 1(71.067.000,00 (um milhão e sessenta e sete mil reais) em ajustes positivos – vide Figura VIII.”, diz o documento.

A PF lembra que a análise da CVM “reforça a tese de uso indevido de informação privilegiada no mercado de capitais para obtenção de vantagem indevida, dados esses que mudaram o comportamento dos investimentos da empresa conforme se avançavam as negociações da Colaboração premiada, especificamente entre os meses de abril e maio do corrente ano, culminando numa atuação sui generis nas últimas horas que antecederam ao vazamento das informações na imprensa”.

A perícia criminal da PF conclui que somente “os contratos a termo adquiridos em 5 e 9 de maio no montante de US$ 1,910 bilhões possuíam taxa futura de câmbio para 01/06 pactuada na ordem de R$3,20 por dólar e que com a redução da taxa de câmbio observada ao longo do més até o dia 17 (em torno de R$ 3,10) e sem eventos que pudessem mudar esta trajetória de queda, tais operações resultariam em prejuízos à empresa”.

Segundo o relatório, “isto evidencia ainda mais que houve o uso de informação privilegiada’”

“Considerando-se a hipótese de não divulgação do vazamento de delações ou gravações em maio, bem como a manutenção do cenário e da taxa de câmbio de 17/05 constante até o final do mês, os contratos de NDFs da JBS resultariam em prejuízo de R$ 196 milhões, contra um lucro realizado calculado em R$ 92 milhões”, concluiu a perícia.

Agora só falta saber o que Janot tem a dizer de todo esse prejuízo causado ao Brasil. Eles só puderam fazer isso enquanto vigorava o acordo de total impunidade, determinado por Janot.

Ele está muito sumido, não?

You may also like...