Porque Carminha votou com a banda podre dos “2 pesos, 2 medidas” do STF?

E o Sermão do Diabo, na integra, “psicografado” por Machado de Assis

Vá treinando sua cidadania para a “maior festa da democracia”, as eleições do ano que vem, e escolha a alternativa correta:

Alternativa a

Porque ela partilha dos mesmos valores do timaço de valorosos ministros votaram junto com ela, cuja ilibada reputação dispensa dizer que valores são esses, Eis a escalação e os times que os revelaram para o Brasil:

.Tofolli e Lewandoviski — ex-volantes do PT futebol Clube e também ex-advogados do time;

.Alexandre Morais — ex-atacante do Tucanistão; entrou na seleção convocado por Temer no lugar daquele outro que “morreu” no avião que caiu… com era mesmo deles… Teori, (que coisa…já nem lembrava mais parece que foi séculos atrás…);

.Marco A. de Mello — não sei onde ele jogou mas foi revelado por seu primo Collor;

. E claro o público e notório Gilmar Mendes, o “polêmico” craque e capitão do time que dispensa currículo e apresentação, mas que para fazer justiça ao técnico da seleção brasileira nessas horas sempre esquecido, foi revelado pelo saudoso FHC;

Enfim trocando Morais por Fachin essa é a escalação da mais requisitada seleção brasileira do STF tão afamada “Segunda Turma”. Que ganhou entre seus fãs gente mais famosa ainda de todas agremiações futepolíticas brasileiras. De Renan, Sarney, passando por Dirceu, até agora o seu mais novo fã de carteirinha Aécio Neves. Agora vai… é Exa.

Alternativa b

Porque conforme ela mesmo disse “se o brasileiro soubesse o que eu sei não dormiria”. O que pode ser interpretado na linguagem popular dos povos nativos da étnia brasileira que habitam esses terras: ela está se borrando de medo do que o incauto ex-procurador do Ministério Público Federal denominava “organizações criminosas” que habitam as casas, cortes e palácios do altos poderes brasileiros.

Alternativa c

Porque como toda boa brasileira e ainda mais mineira, além de saber ficar quando quieta, é e mesmo não sabendo e desconfiada e supersticiosa e pensou com seus botões: “Que foi acidente foi, mas por via das dúvidas nesse avião eu é que não embarco nem que me paguem.”

Alternativa d

Preocupada como demonstrou desde o princípio dos o punitivismo e as condições medievais das prisões brasileiras, e com o aspecto delicado da constituição e psique do fidalgo e aristocrata brasileiro, vulgo playboy, que ao contrário do nativo de constituição forte, criado sobre as condições mais adversas, capaz portanto de suportar suportar as mais terríveis penas e punições seja de trabalhos forçado e encarceramento. Ao contrário deste portanto seria uma pena desproporcional a esse homem frágil e delicado, criado com todos os mimos impor punições que a ele seriam muito mais dolorosas que esse homem embrutecido, tais como não poder sair de casa para a balada, ou confabular trapaças com seus amiguinhos. Privar esse ser humano plenamente dotado de direitos humanos do seu convívio social, do exercício dignificante da sua valorosa e socialmente produtiva profissão, mesmo que não seja para submete-lo as condições desumanas e desumanizantes que a plebe enfrenta fora e principalmente dentro do carcere, seria muito inconstitucional.

Assim, humanista que é, decidiu conceder a aristocracia e fidalguia detentora de foros e fóruns privilégiados, o direito de fazer uso irrestrito de ambos. Podendo portanto assim ela mesma definir, de acordo com sua reconhecida e invulgas sabedoria, honestidade e bom senso, da qual a plebe é desprovida, decidiu que eles e somente eles, entre seus pares e iguais tem as condições necessárias para definir e aplicar as eventuais reprimendas e correções que lhes cabem, conformem considerem justas ou e podem suportar. Ou seja nenhuma. Pondo fim a essa monstruosas desumana de retirar e impedir gente de primeira classe do seu convívio social e político notivago, das sua baladas e encontros na calada da noite em porões com pessoas acima de qualquer suspeita. Co-Solidária portanto sua condição humana e entendendo por bem não contrariar suas necessidades psico-patológicas especiais e perigosas, concedeu que somente ele e seus pares podem definir as reprimendas e correções proporcionais a essa classe diferenciada de pessoas.

Assim sendo Cármen Lúcia decidiu no crepúsculo da sua carreira prudentemente aderir a peculiar doutrina de justiça equitativa brasileira da maioria dos seus colegas. Doutrina esta inspirada nas alemãs (outras), e nas mais antigas e nobiliárias tradições, que prescrevem punições mais fortes ou fracas não de acordo com o delito ou periculosidade, mas conforme a a capacidade do criminoso (ou inocente) de suportar as sentenças observando sua raça, origem, educação, classe social, recursos econômicos, e caráter, ou seja em conformidade e proporcionalidade a sua gene tanto biológica quanto cultural.

Assim considerando a classe política brasileira- que é por definição e finalidade constituída para ser o reserva moral desses homem especial que é a antítese do sertanejo de Euclides da Cunha- Carminha, repito, humanista que é, entendeu que nenhuma punição é possível de infringir contra a vontade desse ser delicado em constituição e necessidade de posse e preservação de prerrogativas, poderes e direitos adquiridos. Pois mesmo que punição ou correção que esta classe reserve a si mesma seja nenhuma independente dos delitos que comete, seja nenhuma e para a plebe todas mesmo que inocentes, isso é sempre se constituirá em todos os casos justo porque é proporcional a constituição genética tanto biológica quanto cultural de cada um desses diferentes classes e espécies de homens brasileiros. Que sendo portanto desiguais e diferentes merecem tratamento diferenciado e desigual, pesos e medidas diferenciadas que mesmo que não os coloquem no mesmo lugar, coloque cada um no seu devido lugar promovendo a lei a ordem e portanto a noção de justiça conforme essa doutrina de justiças das gentes.

Logo repito, humanista que é, mas ilustrada e ciosa das diferenças de berço, raça e formação dos diferentes homens que constituem as duas classes ou espécies de brasileiros: uma, a plebe formada de nativos e imigrantes sem pedigree, trazidos para a terra brasileira para efetuar o trabalho pesado e forçado, desde o escravo até o assalariado; e a outra, formada pelos descendentes e atuais famílias de aristocratas, burocratas, fidalgos e governantes, herdeira dessas terras e predestinada e educada a adminstrar essas posses e gentes; Carminha, ciente portanto das necessidade de aplicar uma justiça equitativa perante as desigualdades não meramente sociais mas de gene entre os brasileiros, Carminha, a digníssima Carmen Lúcia, presidenta do Suprema, Supremíssima, Supremacista e Supremáxima Corte Brasileira, represente dos maior das mais superiores classes, castas do Superior Tribunal de Justiça do Brasil; sob a proteção do deus Todo Poderoso que junto com nossos todos poderosos guardam nossa sagrada constituição decidiu proteger o que há de ainda mais sagrado a cultura, aos costumes e ao funcionamento normal da sociedade e estado Brasileiro: o poder total e os privilégios que este confere a quem “é de direito”.

Assim interpretando e aplicando como ninguém no mundo senão os sábios os ensinamentos de justiça do filósofo contratualista John Haws: de dar desigualmente aos desiguais, a presidente do STF junto com a Segundo Turma mais Morais, menos Fachin decidiu abaixar soltar a Aecinho. Como por sinal já havia feito com Renan, e com todos seus iguais.

Alternativa e

Todas as alternativas anteriores estão corretas.

E para não dizer que eu não dou o privilégio ao leitor de uma saída da questão a lá Carminha vai mais uma:

Alternativa f

Todas as alternativas anteriores estão errados. Todos eles são sábios, honestos e logo estão sempre certos porque segundo a lei não podem estar errados. E quem pensa e pergunta demais vai pro inferno.

Manda quem pode obedece quem tem juízo. Ou, manda quem tem juiz e cala e obedece quem não tem privilégio, senão espera só para ver quem é que vai acabar preso e não é em casa.

O comerciante Francisco Edinei Lima Silva, de 40 anos, morreu na segunda-feira (9) após ficar preso por cerca de 18 horas em uma jaula a céu aberto nos fundos de uma delegacia da Polícia Civil, em Barra do Corda (MA). O local não tem banheiro, teto, nem água encanada. — Comerciante morre após ficar detido em jaula a céu aberto em delegacia no Sarneyquistão [vulgo Maranhão]

Perdão foto do Estado fundamentalista errado. Somos cristãos, não fundamentalistas, não tratamos nem matamos gente assim …

Mas sabe de uma coisa, olha o desperdício de dinheiro público, uma cela… tantos bandidos soltos, uma tocha… qual será que é a idade daqueles bandidinhos da foto? É assim que tem ser mesmo. Redução de maioridade penal são menores na aparência, no fundo é tudo bandido formado que não respeitas as leis, e bandido bom é bandido morto não importa a idade, aliás quanto mais novo melhor de preferencia na barriga da mãe. Coitado, mesmo é o Aécio, o Temer, o Lula, tudo gente inocente, não sabe, não viu, não tem ciência nem consciência de nada, pobres velhinhos inocentes, como poderiam saber o que fazem, mimados, agora vem essa gente é quer exigir dele que respondam por seus atos? Que absurdo? Que desumanidade? Tão pensando que eles são o quê? Cachorro? Plebe? Quanto ódio, quanta sede de vingança, deve ser islâmico. Vocês vão ver só, agora que a gente tem a maioria da Suprema Corte do nosso lado a fogueira tá pronta para todos vocês que vivem defendendo esses bandinhos, filhos de bandidos, vocês não tem o menor respeito pelas leis sagradas e pelas figuras de autoridade. Vão ver só. Queima eles Jesus, porque deus é grande.

Grande, todo poderoso e universal:

“Universal” não importa a cultura, até mesmo… até budistas nacionalistas e nobéis da paz o adoram e praticam em culto e mandamentos:

Desde o fim da Guerra do Vietname, é a maior vaga de refugiados que, em desespero, se atrevem a cruzar o Índico em busca de proteção noutros países. Tal como no Mediterrâneo, muitos naufragaram e perderam a vida a bordo das embarcações precárias dos “passadores” clandestinos. Outros, mais de 300 mil, atravessaram a fronteira terrestre e foram internados em campos de refugiados num país vizinho — o Bangladesh — onde foram acolhidos nas condições mais dramáticas. Homens e mulheres, velhos e crianças, fogem de Myanmar — outrora conhecida por Birmânia — uma antiga colónia inglesa que se tornou independente em 1948 e que, desde o golpe de Estado de 1962, vive sob a tutela sangrenta dos militares que adotaram o budismo, professado pela maioria da população, como “religião de Estado”. São cerca de um milhão de pessoas os membros desta minoria muçulmana, designados por rohingya.

(…) Os rohingya foram transformados em apátridas pela ditadura militar. Em 1982, com a aprovação de uma nova lei da nacionalidade, os militares que governam Myanmar retiraram-lhes a cidadania com o pretexto de que não integravam nenhuma das “raças nacionais”, classificação reservada apenas aos que pudessem comprovar que já residiam no país antes da chegada dos primeiros colonos britânicos, ou seja, antes de 1823! Aos membros da mais importante minoria muçulmana residente em Myanmar, é negado o acesso a bens alimentares, aos cuidados de saúde, à educação. Não podem trabalhar fora das suas aldeias e para viajar ou até para casar, precisam de uma autorização oficial. Arrasaram as suas aldeias, incendiaram as casas e mesquitas centenárias, impuseram-lhes controlos de natalidade.

Cedendo à forte pressão internacional, a Junta Militar encetou o processo de transição democrática e a preparação das eleições de 2015. Num gesto de aparente concessão às exigências das Nações Unidas, a Junta admitiu a eventual regularização do estatuto da minoria muçulmana mas sujeitou o processo à condição prévia de que se declarassem “imigrantes ilegais”! O partido liderado por Aung Sam Suu Kyi obteve uma vitória eleitoral esmagadora mas aos rohingya não foi consentido o exercício do direito de voto e continuou a perseguição e o massacre. Esta semana, o Alto-Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra”ad Al Hussein, referindo-se à presente ofensiva militar lançada pelo Governo de Myanmar, qualificava as denúncias recebidas de agências das Nações Unidas e organizações não governamentais que prestam auxílio às ondas de refugiados que chegam à fronteira com o Bangladesh, como um “exemplo clássico de limpeza étnica”. (…) –Genocídio em Myanmar

Mas quem se importa? Nossos velhos e eternos meninos bem-nascidos estão livres. Menino Aécio, netinho de papai Neves, está solto. Que o deus de Temer e de todos os todo poderosos proteja Aécio, Salve o Todo Poderoso, Salvem os todos poderosos, salve o Poder Total, porque deus é grande e queima como queima… e como ele adora o sacrifício de quem adora, como ele adora o cheiro da carne dos inocentes queimados em seu louvor, no fogo que tudo purifica… Há o que seria do mundo sem as fogueiras santas e esses inquisidores tão severos com os das raças criminosas tão compadecidos dos pequenos pecados dos todo poderosos, nossos santos e salvadores políticos. Não sei porque, mas toda a vez que lembro desses cultos sempre me lembram as palavras de George Orwell, no já batido, mas pouco entendido:“Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força”. Ao qual podeira se acrescentar para melhorar a compreensão: que Deus É o Diabo na Terra do Sol. Ou simplesmente a leitura do próprio “Sermão do Diabo”, “psicografado” pelo gênio de Machado de Assis. Aqui vai ele na integra…

Em homenagem ao culto aos supremos tribunais, seus sumos-sacerdotes mas sobretudo aos mandamentos contantes do livro sagrado dos crentes e fiéis da Igreja Toda Poderosa da Justiça Positivista: a Constituição dos “Estados de Direito”… o deles é claro.

O SERMÃO DO DIABO

Nem sempre respondo por papéis velhos: mas aqui está um que parece autêntico; e, se o não é, vale pelo texto, que é substancial. É um pedaço do evangelho do Diabo, justamente um sermão da montanha, à maneira de São Mateus. Não se apavorem as almas católicas. Já Santo Agostinho dizia que “a igreja do Diabo imita a igreja de Deus”. Daí a semelhança entre os dois evangelhos. Lá vai o do Diabo:

“1º E vendo o Diabo a grande multidão de povo, subiu a um monte, por nome Corcovado, e, depois de se ter sentado, vieram a ele os seus discípulos.

“2º E ele, abrindo a boca, ensinou dizendo as palavras seguintes.

“3º Bem-aventurados aqueles que embaçam, porque eles não serão embaçados.

“4º Bem-aventurados os afoitos, porque eles possuirão a terra.

“5º Bem-aventurados os limpos das algibeiras, porque eles andarão mais leves.

“6º Bem-aventurados os que nascem finos, porque eles morrerão grossos.

“7º Bem-aventurados sois, quando vos injuriarem e disserem todo o mal, por meu respeito.

“8º Folgai e exultai, porque o vosso galardão é copioso na terra.

“9º Vós sois o sal do money market. E se o sal perder a força, com que outra coisa se há de salgar?

“10. Vós sois a luz do mundo. Não se põe uma vela acesa debaixo de um chapéu, pois assim se perdem o chapéu e a vela.

“11. Não julgueis que vim destruir as obras imperfeitas, mas refazer as desfeitas.

“12. Não acrediteis em sociedades arrebentadas. Em verdade vos digo que todas se consertam, e se não for com remendo da mesma cor, será com remendo de outra cor.

“13. Ouvistes que foi dito aos homens: Amai-vos uns aos outros. Pois eu digo-vos: Comei-vos uns aos outros; melhor é comer que ser comido; o lombo alheio é muito mais nutritivo que o próprio.

“14. Também foi dito aos homens: Não matareis a vosso irmão, nem a vosso inimigo, para que não sejais castigados. Eu digo-vos que não é preciso matar a vosso irmão para ganhardes o reino da terra; basta arrancar-lhe a última camisa.

“15. Assim, se estiveres fazendo as tuas contas, e te lembrar que teu irmão anda meio desconfiado de ti, interrompe as contas, sai de casa, vai ao encontro de teu irmão na rua, restitui-lhe a confiança, e tira-lhe o que ele ainda levar consigo.

“16. Igualmente ouvistes que foi dito aos homens: Não jurareis falso, mas cumpri ao Senhor os teus juramentos.

“17. Eu, porém, vos digo que não jureis nunca a verdade, porque a verdade nua e crua, além de indecente, é dura de roer; mas jurai sempre e a propósito de tudo, porque os homens foram feitos para crer antes nos que juram falso, do que nos que não juram nada. Se disseres que o sol acabou, todos acenderão velas.

“18. Não façais as vossas obras diante de pessoas que possam ir contá-lo à polícia.

“19. Quando, pois, quiserdes tapar um buraco, entendei-vos com algum sujeito hábil, que faça treze de cinco e cinco.

“20. Não queirais guardar para vós tesouros na terra, onde a ferrugem e a traça os consomem, e donde os ladrões os tiram e levam.

“21. Mas remetei os vossos tesouros para algum banco de Londres, onde a ferrugem, nem a traça os consomem, nem os ladrões os roubam, e onde ireis vê-los no dia do juízo.

“22. Não vos fieis uns nos outros. Em verdade vos digo, que cada um de vós é capaz de comer o seu vizinho, e boa cara não quer dizer bom negócio.

“23. Vendei gato por lebre, e concessões ordinárias por excelentes, a fim de que a terra se não despovoe das lebres, nem as más concessões pereçam nas vossas mãos.

“24. Não queirais julgar para que não sejais julgados; não examineis os papéis do próximo para que ele não examine os vossos, e não resulte irem os dous para a cadeia, quando é melhor não ir nenhum.

“25. Não tenhais medo às assembleias de acionistas, e afagai-as de preferência às simples comissões, porque as comissões amam a vangloria e as assembleias as boas palavras.

“26. As porcentagens são as primeiras flores do capital; cortai-as logo, para que as outras flores brotem mais viçosas e lindas.

“27. Não deis conta das contas passadas, porque passadas são as contas contadas, e perpétuas as contas que se não contam.

“28. Deixai falar os acionistas prognósticos; uma vez aliviados, assinam de boa vontade.

“29. Podeis excepcionalmente amar a um homem que vos arranjou um bom negócio; mas não até o ponto de o não deixar com as cartas na mão, se jogardes juntos.

“30. Todo aquele que ouve estas minhas palavras, e as observa, será comparado ao homem sábio, que edificou sobre a rocha e resistiu aos ventos; ao contrário do homem sem consideração, que edificou sobre a areia, e fica a ver navios…”

Aqui acaba o manuscrito que me foi trazido pelo próprio Diabo, ou alguém por ele; mas eu creio que era o próprio. Alto, magro, barbícula ao queixo, ar de Mefistófeles. Fiz-lhe uma cruz com os dedos e, ele sumiu-se. Apesar de tudo, não respondo pelo papel, nem pelas doutrinas, nem pelos erros de cópia. — [Nem ele, nem eu, nem você, mas até tu, Carminhas?] Machado de Assim, nascido e morto há mais de 100 atrás, mas poderia ter sido a mais de mil.

Sabe o que eu mais amo em nós cristãos por força de credo ou cultura: a sinceridade e a coragem, a consciência, mas sobretudo a paz, o amor e compaixão que carregam em seus corações…

https://medium.com/media/151d92809e54631c239c965f09598da2/href

Que a paz o amor e a justiça continue a reinar no Brasil por mais 500 anos…


You may also like...