Joesley tem motivos para ficar com medo, muito medo de Raquel Dodge. O mandato de seu protetor termina segunda de manhã…

Esta é a opinião de Josias de Souza, que pode ser lida a seguir:

Ouvido em audiência judicial nesta sexta-feira, Joesley Batista queixou-se de Rodrigo Janot. O detento da JBS não tem noção do que está por vir. Se o problema fosse o arqueiro, tudo se resolveria na segunda-feira, com a troca de guarda que ocorrerá na Procuradoria-Geral da República. As flechas passarão às mãos de Raqual Dodge. Quando a doutora começar a usá-las, Joesley talvez sinta saudades de Janot.

O ex-mecenas da política nacional reclamou da revogação do acordo de colaboração judicial da JBS. Considerou “um ato de covardia” o cancelamento da imunidade penal. “Depois de tudo que fizemos, das provas que entregamos…!” Sob Dodge, a premiação inédita nem teria existido. Entregando a mercadoria, os delatores teriam uma redução do castigo, jamais a extinção.

“Fui mexer com os donos do poder e estou aqui agora”, resmungou Joesley. “Estou pagando por isso.” A pose de empresário bonzinho achacado por políticos malvados não orna com o prontuário do personagem. Joesley e Cia. abriram o bico porque estavam cercados por seis investigações criminais. Sabiam que a Polícia Federal estava a caminho. Tinham o que entregar. Mas o áudio-pastelão que registrou a “conversa de bêbado” revelou que os delatores foram seletivos, não contaram tudo.

Para azar dos irmãos Batista, a revogação do acordo converteu-os em matéria-prima para Raquel Dodge e sua equipe. Os encrencados serão apresentados a uma expressão cara à substituta de Janot: “Reparação do dano.” Nada a ver com o conhecido acordo de leniência. Sob nova direção, a Procuradoria deve buscar no patrimônio dos mecenas as verbas desviadas do erário. Se funcionar, logo, logo haverá uma nova categoria na praça: os sem-jatinho. Ou sem-iate.

Veja o vídeo citado:

Agora sim vai começar o merecido calvário de um dos empresários mais crueis que já surgiram na história.

Um sujeito que se aliou a tiranos que queriam nos escravizar.

Para Joesley, o sofrimento do povo é diversão, dado que ele é igualzinho àqueles que alçaram Maduro ao poder.

Ninguém aqui está dizendo que Raquel Dodge será imparcial, uma vez que o processo de eleição de PGRs é contaminado por ser baseado na escolha por parte de um presidente.

Mas certamente moleza ofertada à Joesley é algo que o empresário sádico não vai encontrar daqui pra frente.

You may also like...